A verdadeira prosperidade



Segundo a Bíblia, ser próspero pode ser associado a seguir a justiça, a fé, o amor, a paciência, a mansidão.... Em outras palavras, ser próspero é viver por Cristo e para Cristo! Isso nos garante a totalidade de nossa herança na eternidade, herança cuja ferrugem não a dissipa nem a leva o ladrão.
Por outro lado, acredito firmemente que nosso Deus, o Criador, pode tornar-nos ricos financeiramente durante nossa existência terrena, sim Ele pode! Todavia, a busca pelas riquezas (ou "prosperidade" como alguns gostam de dizer) por meio da fé em Jesus é algo avesso à vontade de Deus. Buscar enriquecimento mediante a fé é um grande equívoco e esse erro tem levado muitos cristãos a perderem sua fé e se desviarem do caminho da verdade.
Deus não está preocupado com nossas posses, muito menos se vivemos em grande regalia, mas com a nossa maturidade espiritual. Afinal, um dia teremos de encará-lo e o que vamos apresentar a Ele?
Por essa razão, a Bíblia nos adverte: "Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas."  (Mt 6:33).
Contudo, a pergunta persiste: queremos ser prósperos?
Imagino que, assim como eu, sua resposta deve ser sim. Então, precisamos buscar a vontade de Deus em primeiro lugar, não a nossa! Também será necessária muita dedicação aos estudos e ao trabalho. Fazer tudo com muito amor e honestidade, e, sim, Deus nos abençoará! Não devemos incorrer em outro erro, o da barganha. Alguns visando riquezas, controversamente, oferecem suas economias e até mesmo os próprios pertences, em supostos altares sagrados, ludibriados pela própria cobiça! Esquecem-se de que o altar somos nós e que Deus não pode ser comprado. É particularmente insensato pensar na possibilidade de barganhar com Deus usando aquilo que Ele nos permitiu possuir. Não se escandalize, a ofensa não está no ato de ofertar, jamais! Mas sim no propósito do coração do ofertante: o Reino de Deus ou o próprio reino?
Oras, devemos ou não ofertar? Isso é muito importante saber!
Claro que devemos ser gratos! Precisamos reconhecer o cuidado e a misericórdia de Deus para conosco e ofertar conforme diz as escrituras “Cada um contribua segundo propôs no seu coração; não com tristeza, ou por necessidade; porque Deus ama ao que dá com alegria” (2 Co 9:7). Perceba que aquele que oferta com amor e com alegria o faz por gratidão, não deseja nada em troca. Na verdade, já é possuidor das bênçãos divinas!
Podemos exigir de Deus prosperidade financeira?
Outro ponto precisa ficar claro. Não devemos cometer esse outro absurdo:  querer dar ordens a Deus ou exigir Dele os desejos de nosso âmago! Alguns cristãos, por ainda serem bebês espirituais se julgam no direito de fazer exigências, dizem coisas do tipo "Senhor eu fiz minha parte, completei as campanhas de minha igreja, paguei meus dízimos.... Agora dê-me o que lhe peço!"  Ou ainda "Eu determino isso e aquilo..."
Faça-se algumas perguntas: “Quem é o Senhor? E quem é o servo? Pode a criatura direcionar as ações do Criador?” Percebe? Deus não é obrigado a nada! Ele faz o que Lhe aprouver fazer, e nos concede o que Ele julga propício conceder!
Ser rico é pecado?
Claro que não! Mas a Bíblia deixa claro que onde estiver o nosso tesouro ali estará nosso coração (Mt 6:21). Por isso, se desejamos ser prósperos, que o nosso tesouro seja, em primeiro lugar, o Reino de Deus e Sua Justiça. Ele é justo! Sejamos também!
Finalmente, quanto a alguns cristãos que se iludem presos a ensinamentos sobre prosperidade, sem se dedicarem ao estudo e ao trabalho, digo-lhes: "Não sejam ignorantes! Não busquem prosperidade dentro das igrejas, lá vocês devem buscar amadurecimento espiritual. Busquem o Reino de Deus e Sua justiça! Leiam mais a Bíblia e procurem aprender mais dela!”
Para concluir, leia atentamente as palavras do Apóstolo Paulo: 
“Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes. Mas os que querem ser ricos caem em tentação, e em laço, e em muitas concupiscências loucas e nocivas, que submergem os homens na perdição e ruína. Porque o amor ao dinheiro é a raiz de toda a espécie de males; e nessa cobiça alguns se desviaram da fé, e se traspassaram a si mesmos com muitas dores. Mas tu, ó homem de Deus, foge destas coisas, e segue a justiça, a piedade, a fé, o amor, a paciência, a mansidão” (1 Timóteo 6:8-11).
Que nosso amor por Ele seja sem reservas ou segundas intenções. 


0 comentários:

Postar um comentário