O Deus de Relacionamentos


Quando iniciamos a leitura da Bíblia Sagrada vemos que o autor não se exauriu em descrever detalhes da criação divina no livro de Genesis, Ele transcorre na sua exposição com tanta riqueza e detalhes na manifestação divina na sua grandiosa obra.
Ao debruçarmos nos primeiros versículos vemos Deus agindo por meio de Sua palavra: “E disse Deus: Haja luz; e houve luz” (Gn 1:3). Em seguida Ele diz: “Haja entre as águas um firmamento que separe águas de águas" (Gn 1:6). E assim, Ele prossegue em sua maravilhosa criação, quando Deus termina sua obra, ela é perfeita. Todavia, para que houvesse Sua expressão, Ele cria o homem, e o cria segundo sua imagem e semelhança (Gn 1.27).
A partir da criação do primeiro homem, Adão, e sua adjutora, Eva, Deus começa a se relacionar com a humanidade. Porém, sabemos que esse bom começo não transcorreu como o Criador desejava devido à transgressão cometida pelo primeiro casal.
O Senhor, nosso Deus, sempre quis e continua querendo relacionar-se com o homem. Por isso, no decorrer dos séculos, Ele procura falar conosco, mas este relacionamento veio se tornando cada vez mais improvável e, em alguns casos impossível, não por parte do Criador, mas pela parte do homem.
Como afastamos Deus de nós?
Por causa de nossos pecados! A Bíblia diz que nossos pecados fazem separação entre nós e Ele (Is 59:2).
Todavia, Deus não nos abandona e promove meios para restaurar o seu relacionamento com a humanidade. Vemos no livro de Êxodo, a partir do capitulo 3, Deus chamando um homem para um novo relacionamento: Moisés. O desejo Dele é claro, estar novamente próximo do homem. Ao decorrermos o livro de Êxodo, contemplamos o grande livramento de um povo, que clamava pelo Deus de Abraão, Isaque e Israel, por libertação. A partir do capítulo 12, versículo 37 desse mesmo livro, Deus fala ao seu servo Moises para que ele construa um tabernáculo, pois assim, Ele estaria no meio do seu povo. Glórias ao Senhor!
A Bíblia dedica 43 capítulos consecutivos (Êxodo 25 ao 40 e Levítico 1 ao 27) e mais algumas partes das Escrituras como: Números, Hebreus e Apocalipse, para tratar sobre a habitação de Deus, nesta revelação estão escondidos tesouros espirituais de conhecimento e verdade. Provérbios 25.2 diz: “A glória de Deus é ocultar certas coisas; tentar descobri-las é a glória dos reis”.
Deus sempre desejou habitar no meio de seu povo, pois é desejo eterno Dele relacionar-se intimamente conosco.  Essa verdade é revelada a nós de forma progressiva na Bíblia. Vejamos:
Primeiro Deus habitou com o homem antes que o pecado danificasse esse relacionamento (Gn 3.8,24). Segundo, Deus caminhou e conversou com Noé e outros patriarcas em suas épocas (Genesis 6.9). Para isso, Ele se manifestou a Abraão, Isaque e Israel, algumas vezes em Teofania (Gn17.1,26.24 e 35.1). Terceiro, Deus esteve no meio do seu povo através do tabernáculo (Êx 25.8,22 ). Ele habitou com o Israel redimido, Aleluia! Quarto, Deus fala para o Rei Davi que um de seus filhos, edificaria uma casa para Ele (I Cr  17.1 -15 ), Quinto, a perfeita e plena revelação de Deus está na pessoa do Senhor Jesus Cristo, Ele é a plenitude da divindade (Cl 1.19 e 2.9), Ele é Deus em forma humana, Ele é o tabernáculo e o templo (Jo 2.19-21), Ele é a Palavra e se fez carne (Jo 1.14). Sexto, Deus habita na sua Igreja através de seu filho Jesus Cristo (Efésios 3.16-21).  Sétimo, a revelação final da habitação de Deus é vista na revelação da Cidade Santa, a Nova Jerusalém (Ap 21.3).
Concluo dizendo a você, caro leitor, que Deus sempre quis e continua querendo relacionar-se comigo e com você chamando-nos de filhos. Todavia, para que esse relacionamento seja legítimo, cada um de nós, precisa reconhecer que é pecador e se arrepender, verdadeiramente, dos pecados cometidos, e, aceitar a Jesus Cristo como nosso único e suficiente salvador. Pois, Ele é o único mediador entre nós e o Deus Pai (1Tm 2:5). E, finalmente, deixo-vos um conselho: Aproximem-se daqueles que acreditam e confiam na Bíblia. As pessoas falham, Deus, entretanto, nos ama e é fiel.
Deus vos abençoe!

0 comentários:

Postar um comentário